terça-feira, 19 de março de 2013

Sérgio Pompêo

[Sérgio Pompêo de Pina Júnior]

17 de janeiro de 1980

Goiânia (Goiás)




Sérgio Pompêo faz parte do mundo naif contemporâneo em que os fundos não são chapados e, sim, tem tonalidades, sombras ou texturas.



"Sem título", 2012
Acrílica sobre tela
16 x 22 cm



Sem desmerecer o naif clássico, com menos variações de cores e fundos chapados, Sérgio é um bom representante da nova geração, trazendo muitos cores e tons, além de temas consagrados do naif como o nascimento de Jesus em "As Pastorinhas" (imagem abaixo), as festas religiosas e populares do nosso país, além de cenas cotidianas das cidades do interior.

 
"As Pastorinhas", 2011
Acrílica sobre tela
40 x 60 cm





"As Cavalhadas", 2011
Acrílica sobre tela
30 x 120 cm

Uma característica que chama a atenção em seu trabalho é o equilíbrio que consegue dentro das telas, 'jogando' com as imagens e cores bem distribuídas no espaço pintado. Um bom exemplo disso é a tela "Festa do Divino Espírito Santo" (imagem abaixo), onde consegue discorrer toda numa bela sequência entre festejos e cotidiano, vários momentos da vida no interior.


Ela começa (da esquerda para a direita) com camponeses simbolicamente cultivando a terra, segue com festas como a "Cavalhada", depois com uma série de festas religiosas dos lados e em frente à igreja e, finalmente, uma cena no campo com cavaleiros e uma casa de fazenda. Tudo isso, com duas linhas decorativas de bandeirinhas de fora a fora, na parte superior da tela.



"Festa do Divino Espírito Santo", 2010

Acrílica s/ tela
35 x 140 cm

O trabalho de Sérgio é descrito como meticuloso, com pequenas formas, ricas em detalhes e com um colorido chocante. Ele, também, diversifica técnicas e suportes, utilizando ora tintas acrílica ou óleo sobre tela, ora tinta PVA sobre objetos em madeira e cerâmica.




"Festa da Capela do Rio do Peixe. Em Louvor à Senhora Sant'Ana"
Acrílica sobre tela
40 x 60 cm

É muito prazeroso ver Pompêo, através de sua representação de uma nova geração do naif, recorrendo às temáticas tradicionais como o folclore e as festas regionais, como podemos ver nas telas abaixo sobre os festejos de Folia do Divino Espírito Santo e do Reinado de Nossa Senhora do Rosário. 



 
"Folia do Divino Espírito Santo", 2011
Acrílica sobre tela
40 x 60 cm



 
"Folia do Divino Espírito Santo", 2012
Acrílica sobre tela
20 x 30 cm



"Reinado de Nossa Senhora do Rosário", 2010
Acrílica sobre tela
30 x 60 cm


Pompêo, que desde pequeno interessou-se por desenho, teve teve seu primeiro contato com tinta aos 18 anos, pintando peças artesanais em cerâmica e as vendendo em uma loja local. Ele diz que seus trabalhos são criados a partir de sua memória vivencial do artista e de sua interpretação acerca das questões de fé, tradição e costume. O seu estímulo criativo parte da visualidade e a estética dos festejos populares pirenopolinos.

"Piricirco. O circo de Pirenópolis", 2011
Acrílica sobre tela
50 x 50 cm
Em 1999, abriu seu próprio negócio e, na época, como ele mesmo reconhece, contava com pouco conhecimento em arte e sem técnica alguma. Expôs, então, algumas peças em cerâmica e madeira de diversos tamanhos, pintadas com tinta PVA.

Como todo artista naif, ingênuo no sentido da espontaneidade criativa (livre de conhecimentos acadêmicos), Sérgio Pompêo não sabia o que era arte naif. Apenas pintava o que lhe vinha. Justamente nessa oportunidade, teve um de seus trabalhos vendidos a um colecionador de arte Naïf. Foi o próprio colecionador quem lhe explicou o que significava esse tipo de arte e que seu trabalho se encontrava dentro dessa vertente artística.  



"O Encontro"
Acrílica sobre tela
30 x 90 cm

É curioso notar, que a pintor Ingressou no curso de Artes Visuais da UFG, em 2007. Mas mesmo entrando em contato com as influências da Arte Contemporânea, ele diz que não teve seus trabalhos nem seu estilo afetados. Talvez caiba aí, a máxima de que quanto mais aprendemos acerca de assuntos diversos, mais enriquecemos e consolidamos nossa identidade.


 
"Festa do Morro dos Pireneus", 2011
Acrílica sobre tela
20 x 30 cm


 
"Ponto de ônibus", 2008
PVA sobre tela
20 x 30 cm



Cronologia


Aos 05 anos de idade, muda-se de Goiânia (GO) para Pirenópolis (GO).

- Retornou-se a Goiânia para cursar Letras na UCG (1999).



Participou de uma mostra de arte e artesanato em Pirenópolis, promovida pela prefeitura local (2004).

Ingressou no curso de Artes Visuais da UFG (2007).
 
Participou de sua primeira exposição coletiva, "As Artes do Divino" - Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, Museu Edison Carneiro, Rio de Janeiro; e na Casa de Câmara e Cadeia de Pirenópolis, atual Museu do Divino. (2008) 

Voltou a morar em Pirenópolis, trancando o curso de Artes Visuais e dedicando-se exclusivamente à arte (2009).

Selecionado para a Bienal Naïfs do Brasil 2010, 10° Edição, SESC Piracicaba - São Paulo.

Selecionado, através de edital, para exposição individual no Museu de Arte de Goiânia (MAG) /Palácio da Cultura, Goiânia/GO, com o tema "Ao Divino Espírito Santo" (2011).

- Participou do "SLOW FILME", festival internacional de cinema e alimentação, 2ª Edição, com a mesma exposição, realizada no hall do Cine Pireneus, Pirenópolis/GO (2011).

- Ilustrou, com uma de suas obras, o "Calendário de Festas Tradicionais de Pirenópolis 2012", promovido pela Prefeitura de Pirenópolis/GO e pelo IPHAN (2012).


Participou da exposição coletiva de arte naïf, junto com os artistas pirenopolinos: Pérsio Forzani, Ita Pereira, José Inácio, Claudimar Pereira, na inauguração do Centro Cultural de Arte e Música "Ita e Alaor", em de Pirenópolis/GO (2012).


Texto: Álvaro Nassaralla
alvaronassaralla@gmail.com


Blog do artista:

sergiopompeoartenaif.blogspot.com.br/