sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Maria Auxiliadora da Silva


 
1935 – Campo Belo (MG)
1974 – São Paulo (SP)


Um cometa das artes

por Oscar D'Ambrosio


Os cometas fascinam o ser humano pelas aparições freqüentemente inesperadas e, às vezes, espetaculares. É esse o caso da artista plástica Maria Auxiliadora da Silva, que pintou apenas sete anos, entre 1967 e 1974, mas conquistou um espaço eterno entre os maiores primitivistas brasileiros, enfocando desde o carnaval até a própria morte, passando por procissões, danças populares e cenas da vida doméstica e rural..



"Plantação" (Plantation)
Oil and mixed media on canvas
50.2 x 40.3 cm
1971

Museum of Fine Arts, Boston.

The John Axelrod Collection -
Frank B. Bemis Fund and Charles H. Bayley Fund.


Bailes e festas caipiras também integram o universo imagético de Maria Auxiliadora, que realizou ainda tocantes auto-retratos, principalmente perante a proximidade da morte, por câncer generalizado, em 1974, após uma luta intensa que deixou retratada em uma obra, que vai do ingênuo ao trágico em menos de uma década.





Maria Auxiliadora nasceu em 24 de maio de 1935, em Campo Belo, MG, numa família de 18 irmãos, gerados por Dona Maria, uma humilde bordadora, que acumulava ainda as funções de dona-de-casa, escultura e pintora. Nascida em Sorocaba, SP, e casada com um trabalhador braçal de estrada de ferro, ela migrara para a cidade mineira, onde tivera os primeiros filhos, entre eles Auxiliadora, que veio com a mãe e os irmãos para São Paulo, todos atraídos pelas promessas de prosperidade que a capital paulista oferecia.



"Auto Retrato com Anjos"
Técnica Mista
70 cm x 50 cm
1972

A vida na cidade foi bastante dura. Auxiliadora, ainda criança, mostra uma inclinação natural para tingir os fios que a mãe borda para fora e, com 11 anos, já desenhava, com carvão, figuras nos muros. Absorta nessa atividade esquecia muitas vezes de olhar as panelas no fogo e a comida da família queimava.

Como freqüentou a escola apenas um par de anos, Auxiliadora somente teve trabalhos humildes, como doméstica ou passadora. Para piorar sua saúde era frágil e, aos 22 anos, teve de ser submetida a uma primeira cirurgia. Foi em 1967 que ela decidiu se dedicar integralmente à pintura, trabalhando com determinação na casa dos pais e, depois, na própria casa.


"Parque de Diversões"
Técnica Mista
140 cm X 140 cm


Sem conhecer perspectiva ou claro-escuro, bem dentro dos princípios dos artistas autodidatas, Auxiliadora foi aprimorando sua arte. No fim dos anos 1960, juntou-se, com outros integrantes da família, pintores, como o escultor Vicente de Paula e o pintor João Cândido, ao grupo que girava em torno do músico, teatrólogo e poeta negro Solano Trindade, no Embu das Artes, SP, onde se formara um centro de artesanato, principalmente de cultura e arte de origem africana.

Com o passar dos anos, o Embu foi dominado pelos hippies e por artistas mais preocupados com os preços do que com a qualidade do trabalho artístico. Descontente com a situação, Auxiliadora retornou à Capital e passou a expor seus trabalhos na Praça da República. Conheceu então o físico e crítico de arte Mário Schemberg, que a apresentou ao cônsul dos EUA Alan Fisher. Este último organizou, em 1971, com sucesso, uma exposição da artista na galeria USIS do Consulado, em São Paulo.





A notoriedade, porém durou pouco e Auxiliadora continuava sendo admirada apenas por alguns artistas primitivistas, como Ivonaldo e Crisaldo Moraes. Em 1972, aos 37 anos, Auxiliadora finalmente realizou o desejo de voltar a estudar, inscrevendo-se no Centro de Alfabetização de Adultos, universo que também retratou em seus trabalhos. Mostra, com crueza, a realidade dos cursos noturnos, repleta de alunos cansados e sonolentos lutando com letras e números.

Mas a passagem do cometa Maria Auxiliadora estava fadada a ser rápida. Após uma dolorosa batalha contra o câncer, que a levou a ser operada seis vezes nos últimos dez meses de vida e a recorrer a medicamentos tradicionais, a artista faleceu em 20 de agosto de 1974, de câncer generalizado, após tentar a medicina, centros espíritas e candomblé.





Três anos depois, a editora italiana Giulio Bolaffi publicou, numa edição com texto em quatro idiomas, o livro Maria Auxiliadora da Silva, com textos de Max Fourny, diretor do Museu de Arte Naïf de l’Ile, França; Emanuel von Lauenstein Massarani, adido cultural do Brasil na Suíça, que coloca a artista na fronteira entre a arte primitivista e a arte bruta, ou seja, aquela praticada fora do condicionamento cultural e do conformismo social; e Pietro Maria Bardi, então diretor do Museu de Arte de São Paulo.

Coube ao marchand alemão Werner Arnhold, no final da década de 1970, colaborar definitivamente para que Auxiliadora alcançasse renome na Europa, levando seus trabalhos de feiras de arte e exposições na Basiléia, Dusseldorf e Paris. A crítica internacional logo ficou fascinada pela forma como trabalhava as cores e as temáticas tipicamente brasileiras.

A variedade temática é um dos pontos mais interessantes de Auxiliadora, que parece fazer uma crônica daquilo que via. Utilizava tinta acrílica de cores geralmente fortes, como vermelho e amarelo, e salientava partes do corpo humano e das paisagens, utilizando cabelo de verdade pintado ou uma massa de espessura variável, cujo modo de fazer nunca revelou a ninguém.

O que mais fascina nos trabalhos de Maria Aparecida é a forma de trabalhar a cor branca. Os vestidos de escolas de samba, bailes ou festas de maracatu ou divindades do candomblé apresentam rendas e as casas cortinas em relevo e uma sutil transparência. O mesmo ocorre numa tela comoAuto-retrato com flores, no qual as rendas estão no vestido e na touca que cobre a cabeça da pintora.

Auxiliadora colocava muitas vezes legendas em seus quadros, como se fossem desenhos animados, seja na boca de um sanfoneiro de festa junina ou de uma cena de candomblé. Outro aspecto curioso de seu padrão artístico é uma tela comoNatureza morta, em que , sobre uma mesa sem perspectiva, elementos de uma refeição, como macarronada, feijoada, vinho doce,pão, frango, farofa, carne assada e arroz surgem com os nomes escritos nos respectivos pratos ou garrafas. Nessa mesma linha diferenciadora de seu trabalho, é comum que, nas cenas de interiores, Auxiliadora coloque nas paredes quadros de sua própria autoria.

A artista também tinha uma forma diferente de negociar seus quadros. Se a norma é cobrar preços maiores por pinturas de maiores dimensões, ela tinha seus próprios parâmetros, estabelecendo valores pelo tempo que demorava em pinta-los ou pela qualidade que atribuía a cada um deles. Esses critérios, muito peculiares, mostram consciência do valor do seu trabalho e de que ele devia ser vendido pelo esforço realizado e pelo resultado obtido, não pelos centímetros quadrados que ocupava.

Nos dois últimos anos de vida, Auxiliadora desenvolveu uma faceta muito peculiar. Em sua luta pela vida, nunca parou de pintar, registrando cenas de extrema-unção, hospitais, ambulâncias, velórios e enterros, além de um comoventeAuto-retrato com anjos, no qual seres divinos nus, sobre um fundo azul claro, rodeiam, com uma grinalda de flores brancas e vermelhas, a pintora em seu ofício, criando, no cavalete, uma cena rural. Os anjos trazem tintas, pincéis e quadros, compondo um testamento poético primitivista de amor à arte.

A maior prova de que a arte foi, para Maria Auxiliadora da Silva, um ato de resistência à morte está no desenho inacabado encontrado embaixo de seu travesseiro de seu leito de morte. Autora de alegres festas e colheitas extremamente coloridas; de festas juninas com fogueiras de chamas dinâmicas em vermelho, laranja, amarelo e verde; e quadros em que as figuras humanas choram, seja vendo uma novela pela televisão na sala, em auto-retratos ou em aulas de alfabetização noturnas para adultos, ela foi uma lutadora até o último momento.

Tal qual um cometa, de passagem rápida, muito esperada e inesquecível, cada imagem pujante criada por Maria Auxiliadora da Silva, artista nunca acomodada, seja na técnica muito pessoal, nos temas variados ou no amor à vida, é um documento de uma passagem luminosa, mas infelizmente fugaz pelo mundo das artes.


Fonte: Artcanal - Oscar D´Ambrosio




Mista sobre papel
0,47 cm x 0,61 cm
Escritório Cristina Jafet